Nossos dinossauros imaginários

Ansiedade é o assunto desta semana. Amplo esse tema, mas irei abordar somente alguns aspectos. A ansiedade é um estado, sentimento, sensação que é super necessária para a sobrevivência humana. Somos ansiosos por natureza- a maioria da população. Vivemos num mundo ansioso. Onde as coisas têm que acontecer rapidamente, se existe um problema já tem que haver uma solução. E isso nos impulsiona para melhorarmos sempre.

Ao longo desses anos, cada vez mais vejo pessoas ansiosas. Mas com uma ansiedade que não é produtiva. Sensação que leva as pessoas a se paralisarem.  Quero hoje falar com vocês sobre isso: a ansiedade que nos paralisa…aquela que ficamos ali parados tipo múmia – sem saber o que fazer. Sem saber que rumo tomar.  Acreditava que ela era tipo um fantasma noturno que vinha devagarzinho e ia crescendo até se transformar em algo imenso. Mas ao longo desse tempo aprimorei a forma que a vejo.

Todos temos alguma ansiedade, nem que seja pequenina. Minúscula…mas ela existe! Está ali! Se preparando para entrar em cena! Comandar o espetáculo. Na minha infância existia um brinquedo que era o seguinte: um dinossauro de menos de 3 cm. Ele vinha embalado com as instruções de colocar na água que uma surpresa aconteceria. Adorava essa experiência. Então se colocava o bicho pequenininho num copo cheio de água e íamos dormir. Quando acordávamos ele tinha triplicado o tamanho. Passado mais um dia ele estava 10 vezes o tamanho original e já não cabia no copo. Trocávamos o recipiente, colocávamos mais água e no 3º dia ele estava enorme e a água havia sumido. Se tirássemos ele da água gradativamente ia diminuindo a cada dia até voltar ao tamanho original (pequeno).

Pois então…a ansiedade é assim. Esta lá minúscula, quieta. Daí colocamos ela na água e ela se transforma em algo grande…às vezes incontrolável (daí alguns sintomas aparecem como Síndrome do Pânico, insônia , entre outros) O que seria a água? A maioria dos ansiosos que conheço tem o mesmo funcionamento. Pega um evento, um pensamento, um problema, enfim, algo que lhes causa ansiedade e ficam pensando naquilo quase de forma obsessiva. Pensam e repensam e assim vão cada vez mais enchendo o copo de água. Assim o dinossauro- ansiedade vai cada vez mais crescendo. Então é a mente que acaba alimentando ansiedade.

Qual a solução? Não ter problemas? Impossível… teremos sempre. É inerente a nossa vida! Independente da profissão, estado civil, idade. O grande truque é não colocar o dinossauro no copo. Deixar ele ali… pequeno sem crescer. Dominar a mente. Aprender a esperar. Saber que as coisas – se estamos fazendo a nossa parte – irão acontecer. E que nossa ansiedade – quando desnecessária – só servirá para gastar energia à toa.

Acredito que o ser humano tem “um tanque de combustível” que é abastecido de energia. Quando estamos bem, nutridos, equilibrados nosso tanque tá cheio. Nosso motor funciona bem melhor assim porque não existe desgaste. Mas no que vamos nos exigindo, gastando energias com ansiedades, estresse, eventos desnecessários – vamos nos desabastecendo e assim funcionando não tão bem. Podemos gastar tanta energia desnecessária que entramos na reserva- isso só gera sintomas e acaba piorando a ansiedade e os sintomas que irão se apresentar certamente.

Então quando a ansiedade vier… lembra de mim… lembra que tu tens um dinossauro imaginário… o nosso. Este que te apresentei agora. E por favor, por ti, não coloca ele na água. Pega o copo e enche de amor e paciência.

dinossauros

Um beijo, até semana que vem

me-1

Vanessa Campos – Psicóloga

Você também poderá gostar...